Humanos poderiam se manter por 100 mil anos na Lua

Humanos poderiam se manter por 100 mil anos na Lua

Para que a humanidade consiga estabelecer sua presença permanente na Lua, é necessário garantir recursos vitais, como o oxigênio. Há bastante deste elemento por lá, aprisionado no regolito, a camada de poeira e rochas que cobrem a superfície lunar, e a tecnologia é uma aliada nesta missão. Mas o nosso satélite natural teria oxigênio suficiente para sustentar a vida humana por longos períodos?

Em outubro deste ano, a Agência Espacial australiana firmou um acordo com a NASA para o desenvolvimento de um rover, com previsão de ser lançado no início de 2026. O objetivo da missão será analisar o oxigênio disponível no regolito lunar para garantir a presença humana permanentemente na superfície da Lua. O professor de ciência do solo John Grant, da Southern Cross University, explica que minerais como sílica, alumínio e óxidos de ferro dominam a paisagem lunar.

Estes minerais contêm oxigênio, mas não da maneira que nossos pulmões consigam acessar. Grant diz que o regolito lunar é composto, cerca de, de 45% de oxigênio e é necessária bastante energia para extraí-lo. A eletrólise é o processo pelo qual a manufatura produz alumínio aqui na Terra. Basicamente, uma corrente elétrica é conduzida por alumínio líquido através de dois eletrodos e, assim, o alumínio se separa do oxigênio.

Na Terra, o oxigênio é um subproduto da eletrólise, mas, na Lua, ele seria o principal produto. Embora seja um processo simples, ele demanda muita energia por isso, será preciso garantir também fontes de energia a partir da superfície lunar, como painéis solares. Além disso, Grant ressalta que extrair o oxigênio por lá exigiria equipamentos industriais que convertam o óxido de metal sólido em sua forma líquida seja aplicando calor ou solventes.

No começo deste ano, a startup bélgica Space Applications Services revelou estar desenvolvendo três reatores experimentais para aprimorar o processo de extração de oxigênio a partir da eletrólise. Ao que tudo indica, as tecnologias serão enviadas a Lua até 2025, através do programa de utilização de recursos in-situ (ISRU na sigla em inglês) da Agência Espacial Europeia (ESA).

Segundo Grant, apenas analisando regolito lunar, facilmente acessado na superfície, é possível fazer algumas estimativas. Ele diz que cada metro cúbica de regolito contém, em média, 1,4 tonelada de minerais, sendo 630 kg de oxigênio. Segundo a NASA, um humano precisa respirar 800 gramas de oxigênio ao dia, ou seja, 630 kg seria o suficiente para uma pessoa respirar por, aproximadamente dois anos.

Supondo que a camada de regolito lunar tenha, em média, 10 metros de profundidade e seja possível extrair todo o oxigênio, Grant explica que seria o suficiente para sustentar toda população mundial (cerca de 8 milhões) por um período de 100.000 anos na superfície lunar. “Isso também dependeria da eficácia com que conseguimos extrair e usar o oxigênio. Independentemente disso, esse número é incrível!”, acrescenta o professor.

Share and Enjoy !

Shares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares
%d blogueiros gostam disto: